Homossexualidade no Japão


Semana passada (14/08/2010) ocorreu em Tóquio, após 3 anos, a 7ª Tokyo Pride (a Parada Gay japonesa) com a participação de cerca de 4 mil pessoas.

Alguns devem ter se perguntado: “No Japão tem gay????”.

Pois é... O Japão é um país bem interessante e sempre me vem a mente como um país repleto de machões samurais ou de machões da Yakuza e de lindas geishas e mulheres submissas. Mas não é bem assim.

De acordo com a organização do evento, a ausência de três anos da Parada se deu por dificuldades em encontrar funcionários suficientes que aceitassem trabalhar no evento, pois há muitas restrições em assumir a orientação sexual e até mesmo em aceitar trabalho de organizações relacionadas ao movimento LGBT (Lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros).

OK! Isso já sabíamos! A sociedade japonesa continua sendo super machista. Lá, os gays são proibidos de doar sangue e casais do mesmo sexo não têm direitos civis de partilha e muitos homossexuais acabam se casando com pessoas do sexo oposto para evitar discriminação.

Mas o assunto desse post não é a Parada em si e sim a figura do homossexual no Japão.
Quando me deparei com a notícia me lembrei de um filme de 1999 chamado Tabu (Gohatto em japonês).Trata-se de um filme sobre samurais, que retrata a vida em uma escola de samurais no período bakumatsu (entre 1853 e 1867, fim da era Tokugawa e início da era Meiji, quando ocorre o fim dos samurais).O filme foge um pouco daquela característica de somente espada e lutas e permite um olhar íntimo na vida dessa escola. Além da espada, é claro que ela não estaria de fora da estória, o shudo faz parte integral do enredo.

Não, não estamos falando do SHODO, a caligrafia japonesa, geralmente escrita com o sumi (tinta preta) e um pincel, sobre papel de arroz e sim de SHUDO, “uma tradição de atos homossexuais estruturada por idade e centrada na pederastia, prevalente na sociedade samurai no período medieval até o fim do século XIX. A palavra é abreviação de wakashudō (若衆道), "O caminho do jovem" ou mais precisamente, "O caminho da juventude" (若 waka) homens (衆 shū). O "dō" (道) é relacionado com a letra chinesa tao, considerada ser o caminho para o despertar. O parceiro mais velho na relação é conhecido como nenja (念者), e o mais novo como wakashū (若衆).

"Embora o termo shudo apareça primeiro no século XVII, foi precedido na tradição homossexual japonesa por relacionamentos amoroso entre bonzes e seus ajudantes, que eram conhecidos como chigo. O suposto lendário fundador do amor masculino no Japão é Kūkai, também conhecido como Kōbō Daishi, o fundador da escola Shingon de pensamentos; que é dito ter levado por toda sua terra natal os ensinamentos do Shingon junto com o ensinamentos do amor masculino (井原西鶴,Ihara Saikaku,et al.). Monte Koya, onde o monastério de Kōbō Daishi ainda é localizado, foi um provérbio do amor masculino até o fim do período pré-moderno.

"Apesar da atribuição do amor masculino a Kūkai, as reais raízes do amor masculino no Japão podem ser traçadas em alguns textos japoneses mais antigos, como na história do século VIII "Kojiki" (事記) e o "Nihon Shoki" (本書紀).

"Os ensinamento do shudo, "O Caminho para a Juventude", entrou na tradição literária e pode ser encontrada em trabalhos como Hagakure (葉隠), "Oculto pelas folhas", e outros manuais de samurai. Shudo em seu aspecto pedagógico, marcial e aristocrático é estreitamente análogo à tradição grega antiga da pederastia.

"A prática foi mantida na alta estima, e estimulada, especialmente dentro da classe samurai. Foi considerada benéfico para a juventude, ensinando virtude, honestidade e a avaliação da beleza. O seu valor foi contrastado com o amor de mulheres, que foi culpado de efeminar homens.

"A maior parte da literatura histórica e fictia do período, louvou a beleza e o valor de meninos fiéis a shudo. O historiador moderno Jun'ichi Iwata redigiu uma lista de 457 tais títulos desde os séculos17os e 18os somente, considerou "um corpo da pedagogia erótica." (Watanabe e Iwata, 1989).

"Com a ascensão de poder e influência da classe mercante, os aspectos da prática de shudo foram adotados pelas classes medianas, e a expressão homoerotico no Japão começou a associar-se mais estreitamente com a viagem de atores kabuki conhecidos como tobiko (飛子), "Meninos voadores," que brilhavam como as prostitutas.

"No período Edo (1600-1868) os atores kabuki (conhecido como onnagata quando desempenhavam papéis femininos) muitas vezes trabalhavam como prostitutas nos bastidores. Os Kagema foram prostitutas masculinas que trabalhavam em bordéis especializados chamados "kagemajaya" (陰間茶屋: casas de chá kagema). Tanto o kagema como os atores kabuki foram muito buscados depois com a sofisticação dos tempos, quem muitas vezes praticava danshoku/nanshoku, ou o amor masculino.

"Começando com a restauração Meiji e a ascensão da influência Ocidental, os valores cristãos começaram a influir na cultura, levando a um declínio rápido de práticas homoeroticas sancionadas até o final dos anos 1800.” (WIKIPEDIA)

Interessante estudar um pouco mais sobre as culturas e descobrir aspectos pouco explorados, mas que quando analisados podem nos trazer belíssimas surpresas, como a história da homossexualidade no Japão, algo tão antigo e aceitável pelos másculos e temíveis samurais.

Vale a dica para assistir o filme. É excelente!

PS: Vou dar uma pesquisada sobre lésbicas no Japão e depois posto minhas descobertas por aqui. Adoro cultura oriental (e orientais ;P)

5 comentários:

Títi disse...

quanta cultura amiga!! sério, quanta informação bacana, que legal que dividiu conosco! bjos

garoto cientista disse...

Olá, é um prazer estar aqui novamente. Gostaria de deixar aqui um pedido, inscrevi o ternuraeintimidade no concurso blogbooks na categoria sexo (sexualidade), quem sabe ele vira livro! Para isso gostaria muito de sua ajuda votando em meu blog, basta ir para este link
http://www.blogbooks.com.br/blogs/votando/YmxvZ2Jvb2tzXzcwNQ==
ou diretamente no meu blog, no selo localizado no canto superior direito, pode votar quantas vezes quiser, o garoto cientista fica muito grato!

Lobinho disse...

Moro no Japao,mas bem longe de Tokyo.Outras cidades grandes(como Nagoya) tb tem a Parada Gay.Confesso que nunca fui.Taboo ou Gohatto,tenho ele no meu blog.
Abraços.

Riko-Wild disse...

Gente como assim ? "No Japão tem Gay? "
é lógico , o Japão é um pais onde a música , filmes, e roupas incentivam a homossexualidade .
eu sou uma fã da cultura japonesa e muitas coisas como
Manga , anime , jrock , jpop , e programas de tv's , mostram a realidade homossexual.
Manga(HQ) existe um genero chamado yaoi e um gnero de história gay's e o Yuri que o genero de histórias lésbicas . No Anime ( desenho) são usado os mesmo nomes Yaoi e Yuri . também existe os generos musicais jrock e jpop que são muito famosos , e que nesse estilo musical ocore o fanservise ( a serviço do fã) e nos palcos ocorrem beijos gays e incinuações de sexo durante o show . em programas de tvs com bandas também ocore o fanservice
O Japão no vive mais na época dos samurais minha gente .

Anônimo disse...

Naum mesmo, esse povo parece besta, só pq é o Japão quer dizer q é passado.Também existem gays no Japão e muitos, como em todo o mundo, e mais, o Japão possui uma cultura milenar de aceitação aos homosexuais.
O Japão sim é um pais perfeito *---*

Postar um comentário