Argentina: Igreja pede plebiscito sobre casamento gay


Fonte: A Gazeta

O Monsenhor Antonio Marino, bispo auxiliar da cidade de La Plata, anunciou que a Igreja Católica propõe a realização de um plebiscito para que a população argentina decida se concorda ou não com a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Segundo a cúpula da Igreja, que opõe-se categoricamente à lei, a modalidade de um plebiscito para definir a eventual aprovação ou rejeição ao projeto de casamento homossexual constituiria “uma via mais razoável” do que seu atual debate no Parlamento.

Monsenhor Marino sustenta que diversos parlamentares estão sendo pressionados para aprovar a lei. Segundo o bispo, senadores que concordam com a Igreja Católica confessaram ao clérigo que estão apoiando oficialmente a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo por aquilo que denominou de “realismo político”.

Enquanto isso, militantes de organizações católicas pretendem pressionar os senadores por conta própria com a convocação de uma marcha de protesto. A manifestação está marcada para o dia 13 de julho, véspera da votação do projeto de lei no Senado.

A lei, que esteve engavetada durante meses no Parlamento – e que foi aprovada recentemente na Câmara de Deputados – provocou divisões dentro das fileiras do governo da presidente Cristina Kirchner e nos próprios partidos da oposição. Nas últimas semanas, grupos de atores e intelectuais fizeram campanhas em defesa do direito do casamento de pessoas do mesmo sexo.

União civil
Se a lei for aprovada pelo Senado, a Argentina se tornará o primeiro país no continente a contar com uma lei que autorize o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o território nacional.

O casamento gay possui precedentes na Argentina, já que em dezembro passado um casal de homens casou-se graças à uma disposição especial da Justiça da província de Tierra del Fuego. De lá para cá, ONGs argentinas pressionaram o Parlamento para a aprovação de uma lei que permita o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Por que o casamento homossexual incomoda tanto a Igreja? Em nenhum momento leio que as organizações LGBT desejam OBRIGAR as instituições religiosas a celebrarem o casamento. Sempre ouço falar do desejo de ter a reunião conhecida, somente.

Mais uma vez o religiosos querem impor suas leis. Lei humanas, diga-se de passagem.

Algum religioso poderia me explicar, sem embasar-se em um livro milenar escrito por homens para domar uma sociedade, o por quê dessa aversão?

Um comentário:

garoto cientista disse...

Não há o que explicar por parte da igreja, primeiramente pelo excesso de casos de pedofilia na mesma, segundo, porque a igreja nunca se preocupou com as engrenagens políticas, ou como foi dito no texto, com o realismo político, agora, que algo de fato esta prestes a ser feito, me vem com essa de pressão por realismo político, hora essa, faça-me o favor, por que não avaliam o realismo político quando deputados aprovam aumentos absurdos para seu salários? A igreja ainda não se convenceu de uma coisa, ela perdeu o amor do povo na hora em que ela largou de lutar pelo povo, doutrina e palavras não trazem alimentos, educação, moradia, saúde, lazer, segurança, dignidade!

Postar um comentário