The Kids Are All Right




Esse é o título de um dos filmes sensação do Sundance Festival (tido como uma "vitrine" do que há de melhor no cinema independente estadounidense).
O filme conta a estória de uma família cujos dois filhos, Joni (Josh Hutcherson) e Laser (Mia Wasikowska), foram concebidos por inseminção artificial e decidem encontrar o homem que doou o sêmen que os gerou. Após a chegada do doador (Mark Ruffalo), a harmonia da família fica irremediavelmente abalada.
Julianne Moore e Annette Bening fazem as mães dos adolescentes e a direção fica por conta da cineasta americana Lisa Cholodenko, que já dirigiu episódios da série "The L word", série estadounidense que trata das vidas um grupo de lésbicas tentando encontrar amor e sexo na movimentadí­ssima Los Angeles.
A estréia está prevista no Brasil para o segundo semestre de 2010 distribuido pela Imagens Filmes, que comprou os direitos do longa metragem.

Achei o filme super interessante, até porque bate com um tremendo dilema meu: tenho 35 anos e quero ter filhos logo, pois a idade começa a pesar um pouco.
E aí entra meu dilema: ou inseminação artificial ou um conhecido disposto a ser pai da criança ou fazer como em " A excêntrica família de Antônia", filme holandês vencedor do Oscar de filme estrangeiro de 1995 que conta a hitória de três gerações de mulheres de uma família ,a neta superdotada, a filha lésbica e a avó louca. A filha lésbica decide ter um filho e começa procurar um desconhecido com as características que ela acha interessante para o pai de seu filho e fazer a inseminação naturalmente.
Motivo do dilema: o que responder ao meu futuro filho quando ele perguntar quem é seu pai e por que privá-lo de conhecer o ser que o gerou?
Ainda em dúvida e sem saber o que fazer, vou levando a vida, tentando um doutorado esse ano, mas não desistindo de ter minha própria cria...
Acho que vou assistir o filme primeiro e depois eu decido.

Carícias públicas




Não assisto BBB, não gosto de BBB e não acredito no BBB, mas como todos falam disso em todos os lugares e como há 3 representantes da comunidade LGBT por lá, vamos tocar no assunto.
Lendo sites e blogs LGBT me deparei com uma notícia no Mix Brasil que muito me despertou o interesse, pois alguns concordam e outros discordam. Ou seja, assunto polêmico!
Casais homoafetivos devem ou não trocar carícias (entendo por carícias abraçõs, mãos dadas, beijos discretos, ok?) em locais públicos?
Opinião dos "brothers and sisters" (Argh! Mas referem-se as esses seres enclausurados com essas palavras):
Para Dicésar (ou Dimmy Kieer)o certo é segurar a onda, pois "Tem avó, tem família, eles vão ver você e vão falar 'que falta de vergonha na cara'. Não é assim que você quebra preconceito"
Para Sérgio os casais tem mais é que beijar mesmo, pois "Para mim, é tudo igual".
Já Angelica acha que andar de mão dada, sim, beijar não, pois é desnecessário. ela acha que hétero, quando fica de agarração também é feio, mas sonha em andar numa boa no shopping, na praia.
Minha opinião: depende. Você se sente bem com os olhares dos demais? O local realmente permite afagos? Concordo com a Angélica: algumas carícias são desapropriadas para qualquer um. Quem nunca se incomodou com um casal de adolescentes que parece que vai cruzar a qualquer momento no shopping?
Aqui em Vitória tenho visto com frequencia casais (em sua maioria, lésbicas) caminharem na boa de mãos dadas em shoppings, na praia... Ninguém repara muito. Mas quando a troca de carinhos extrapola, o pessoal se incomoda e começa a fazer gracinha.
Resumindo, o que é certo, o que é errado, depende só e somente de você!
Minha opinião...

Kiss me

Sozinha em casa, namorada a 130 km de distância e vejo esse vídeo... Covardia, não acham?

Discurso proferido pela senadora Diane Savino, do Estado de New York

Acabo de assistir o vídeo abaixo no blog Discutindo Gênero e decidi compartilhar.
Um vídeo com um discurso sábio e simples de alguém que não vê mal algum na união entre casais do mesmo sexo. Somente é a favor do direito básico de direitos iguais a todos os cidadãos, independente de cor, raça, sexo, idade, orientação sexual etc.
Mandemos a nossos senadores, deputados, governadores, amigos, parentes etc. Quem sabe esse discurso, proferido por uma católica, não mude um pouco a posição de vários ou pelo menos faça-os refletir um pouco mais sobre o assunto.

Feliz 2010 com criatividade!

Amei a propaganda do Gel Semina para desejar um Feliz 2010 apresentada no site MixBrasil.
Compartilho com vocês! rs

Seguradora lança serviço para casal gay




Fonte: A Gazeta

Começou a ser comercializado ontem o primeiro seguro de vida para casais homossexuais do Estado. O Vida Freedom, da American Life, em São Paulo desde 2006, também é o primeiro seguro de vida do Brasil a atuar nesse segmento de mercado. Em 2008, chegou a Minas Gerais e Rio de Janeiro, e agora está no Espírito Santo.

A empresa está de olho nos cerca de 350 mil homossexuais que residem no Estado, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um mercado carente e promissor. “Hoje no Espírito Santo não há um seguro de vida que cubra as necessidades de um casal gay que tenha união estável. É algo meio difícil de entender, já que esse mercado é praticamente inexplorado”, pondera o diretor comercial da JAVC Corretora de Seguros, Alarico Neves Filho, que está trazendo o serviço para o Espírito Santo.

Segundo explicou o diretor, o Vida Freedom é um seguro de vida normal, a única diferença em relação aos outros é que ele reconhece as relações homoafetivas. “Basta o contratante declarar, em cartório, que mantém uma união estável homoafetiva. É a única exigência”. A partir de R$ 25 mensais, dependendo da idade do contratante, é possível ter um capital segurado de R$ 50 mil. O seguro máximo é de R$ 300 mil. O Vida Freedom cobre morte natural, morte acidental e invalidez permanente total ou parcial por acidente. Além disso, o contratante e seu parceiro têm assistência funeral e ainda concorrem mensalmente a R$ 30 mil pela Loteria Federal.

Mercado potencial
Não há estimativas de quanto a população gay do Brasil movimenta financeiramente. Sabe-se apenas que esse consumidor gasta 30% a mais em bens de consumo em comparação com um heterossexual de mesma condição social. Na construção civil, a situação é a mesma. Na hora de escolher o acabamento, por exemplo, o casal homossexual gasta 25% do valor do apartamento, enquanto que os heterossexuais não aplicam mais de 12%.

Levantamento nacional mostrou que dos cerca de 19 milhões de homossexuais residentes no Brasil, 36% são classe A, 47% classe B e 16% classe C.

Tire suas dúvidas sobre o primeiro seguro para casais gays do Estado

Quem pode. Qualquer pessoa que se encontre em plenas condições de atividade laborativa e em condições satisfatórias de saúde, com idade entre 14 e 60 anos completos.

Custo do seguro. Varia em função da idade do contratante e é corrigido anualmente pelo IGP-M.

Capital segurado. Varia entre R$ 50 mil e R$ 300 mil.

Cobertura. Invalidez permanente total ou parcial por acidente (paga ao próprio segurado) ou por morte natural ou acidental (paga aos beneficiários). Assistência funeral casal em até R$ 3 mil e sorteio mensal de R$ 30 mil.

Pagamento. Mensal, bimestral, trimestral, semestral ou em parcela única anual.

O que você faria se seu filho fosse heterossexual?

Video do YouTube onde repórter pergunta o que a pessoa faria caso o filho(a) fosse heterossexual.
Claro que as respostas "corretas" devem ter sido eliminadas do vídeo, mas ele é capaz de mostrar como as pessoas ainda são ignorantes nesse assunto. Ora nem sabendo distinguir hetero de homossexualidade, ora não sabendo o que é ser homossexual, ora mostrando preconceito de formas bizarras.

Justiça manda plano de saúde incluir companheiro gay




Fonte: Yahoo Notícias

A empresa Omnit Serviços de Saúde Ltda terá que incluir nos planos de saúde que comercializa os nomes dos companheiros homossexuais dependentes do titular. A empresa tem o prazo de 60 dias para cumprir a determinação da Justiça Federal. Na decisão, a juíza da 20ª Vara Federal de São Paulo, Ritinha Stevenson, também determinou que a Agência Nacional de Saúde (ANS) fiscalize o plano para que a liminar seja cumprida no prazo estipulado.
PUBLICIDADE

Na liminar proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), a juíza determina que o dependente deve comprovar a união estável com o titular do plano. De acordo com o MPF, a Omint alegou que não incluía o companheiro do mesmo sexo como dependente por "falta de previsão legal". A liminar foi proferida no dia 18 de dezembro de 2009, mas o MPF tomou ciência da decisão após o recesso forense, em janeiro.

Após pressão, governo Lula descarta apoio ao casamento gay


Publiquei no dia 04 de janeiro minhas esperanças e receios para 2010. Bem, o ano começa com um receio acontecendo apenas a 9 dias após a publicação...

Fonte: A Capa

Após o lançamento do Programa Nacional de Direitos Humanos , uma nova crise se alastrou no governo Lula. E, principalmente no que diz respeito à questão da união civil gay, adoção para homossexuais e aborto.

O ministro dos direitos humanos, Paulo Vannuchi, declarou ao jornal "O Estado de São Paulo" que "até pode abrir mão de temas como a união civil gay, o aborto e outros". Na mesma linha de não apoiar o casamento gay seguiu o deputado Cândido Vaccarezza (PT- SP) e a senadora Ideli Salvati (PT-SC). Para ambos a questão do casamento gay não é consenso na sociedade e nem no PT, e não interessa para a eleição de Dilma.

“Dos temas polêmicos, provavelmente só ficará o item que trata da proibição para que os programas de TV e os meios de comunicação façam propaganda racista ou preconceituosa”, declarou Candido Vaccarezza ao Estadão. Ainda segundo o parlamentar “o Plano de Direitos Humanos é um erro e atrapalha a candidatura da ministra Dilma”.

A senadora Ideli Salvatti não deixou o seu companheiro falando sozinho. Ao jornal "Folha de São Paulo" a líder do governo no Senado declarou que a união entre homossexuais e o aborto não possuem posição definida dentro do próprio governo.

“Não são matérias (união gay e aborto) que sequer podem colocar na mesma ótica oposição e governo. Há matérias de implicação de ordem religiosa, concepção de vida... já temos projetos sobre esses temas no Congresso que nunca foram aprovadas”, tentou justificar a senadora.

Tanto Ideli quanto Vaccarezza foram uníssonos ao afirmarem à Folha que os temas polêmicos – casamento gay e aborto – não favorecem a campanha de Dilma e ainda por cima tiram votos.

Associação gay apoia Plano Nacional de Direitos Humanos do Governo Federal

Em comunicado divulgado no último domingo a ABGLT - Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - declarou apoio ao 3º Plano Nacional de Direitos Humanos do Governo Federal, criado por meio de decreto do presidente Lula, no final do ano passado.

O Plano tem sofrido ataques de diversos setores da sociedade, como da Igreja, que é contra a descriminalização do aborto e das Forças Armadas, contrários a criação de uma "comissão da verdade" para apurar os crimes de tortura cometidos durante o regime militar.

A ABGLT saiu em defesa do Plano ao mencionar que as propostas traçadas foram construídas "democraticamente" em diversas Conferências convocadas pelo Governo Lula ao longo desses dois mandatos.

"O Programa não foi feito apenas pelo governo, mas democraticamente por milhões de brasileiros e brasileiras. Nós lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) participamos de em torno de 10 conferências - das mais de 50 que houve durante o governo atual", diz a nota.

"Compreendemos que os direitos sexuais de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) são direitos humanos e por isso direitos fundamentais a serem respeitados em uma sociedade democrática", afirma a entidade.

Mesmo defendendo uma postura "sem revanchismo", a associação se colocou favorável à criação da comissão da verdade. "Queremos referendar o apoio à busca da verdade sobre a ditadura militar. No mínimo precisamos saber a verdade, mas sem revanchismo. Devemos conhecer o passado para não repetir os mesmos erros".

No comunicado, a ABGLT defende ainda a descriminalização do aborto ao lembrar que "precisamos respeitar a autonomia das mulheres".

Para Bento 16, casamento gay ameaça criação divina



Fonte: Mix Brasil

O papa Bento 16 deu mais uma prova de sua intolerância contra homossexuais. Nesta segunda, 11, o líder da Igreja Católica se reuniu com diplomatas para avaliar os recentes acontecimentos mundiais e afirmou que o casamento gay deveria gerar tanta preocupação quanto as agressões ao meio ambiente. Para Bento 16, os países que contam com leis que reconhecem legalmente a união entre pessoas do mesmo sexo estão colaborando para "enfraquecer as diferenças entre os sexos".

Na cabecinha grisalha do papa, o casamento gay é uma ameaça à criação divina. "As criaturas diferem-se uma das outras e podem ser protegidas, ou colocadas em perigo, como sabemos a partir da experiência diária. Um ataque desse tipo vem de leis ou propostas que, em nome da luta contra a discriminação, atingem a base biológica da diferença entre os sexos", afirmou o religioso, que disse ainda estar pensando, "por exemplo, em alguns países da Europa ou da América do Sul e do Norte".

A declaração foi interpretada como uma crítica a Portugal, Cidade do México e uma província argentina, que recentemente deram a casais gays permissão para se casarem.

Em outro de seus muitos rompantes nada amigáveis, Bento 16 chegou a dizer que a homossexualidade é tão perigosa para a humanidade quanto o desmatamento de florestas.

Parlamento português aprova casamento entre gays


Enquanto isso, no Velho Mundo...


Fonte: A Gazeta

O Parlamento português aprovou ontem um projeto que legaliza os casamentos homossexuais, o que o primeiro-ministro, José Sócrates, disse ser um passo histórico na luta contra a discriminação no país. O governo socialista, que tem minoria no Parlamento, aprovou o projeto com ajuda de partidos de esquerda. Propostas alternativas da oposição de centro-direita para parcerias civis e um referendo sobre o tema foram rejeitados.

“É uma pequena mudança na lei, mas um passo muito importante e simbólico para realizar plenamente valores que são pilares de sociedades abertas, tolerantes e democráticas; liberdade, igualdade e não-discriminação”, disse o primeiro-ministro ao Parlamento antes da votação.

Pela lei, casais homossexuais terão os mesmos direitos que os casais heterossexuais, inclusive em questões de impostos, heranças e habitação. Mas o texto não cita o direito de adotarem filhos.

“Adoção é diferente de casamento. Na adoção, o que está em jogo não são os direito de pessoas livres e adultas, mas o interesse das crianças que o Estado deve proteger”, argumentou Sócrates.

País fortemente católico, Portugal já havia legalizado o aborto em 2007. Tanto aquela decisão quanto a de ontem foram muito criticadas pela Igreja.

"A cultura milenar considera o casamento como um contrato entre um homem e uma mulher. Mudar esta compreensão do que é a família pode ter consequências extremamente graves no futuro", disse o arcebispo de Lisboa, José Policarpo.

O projeto ainda precisa ser sancionado pelo presidente, o conservador Aníbal Cavaco Silva. Ele coloca Portugal na companhia de Espanha, Bélgica, Holanda, Noruega, Suécia, África do Sul e Canadá, que permitem também a adoção por casais gays.

Bolo de casamento para festejar

Cerca de 70 ativistas que acompanharam a votação celebraram o resultado. A festa continuou do lado de fora, com direito a champanhe e bolo de casamento. “Estamos falando de um Estado que reprimiu, assediou e criminalizou relações entre pessoas do mesmo sexo, e o mesmo Estado hoje afirma que elas têm reconhecimento igual e dignidade na lei”, disse Paulo Corte-Real, diretor da Ilga, uma das principais organizações portuguesas de homossexuais. Mas o Bloco de Esquerda e o Partido Verde, que apoiavam o projeto, criticaram o governo por deixar de fora os direitos de adoção. “O governo se deu um mandato para discriminar”, disse o líder esquerdista José Pureza.

Nova Jersey derruba projeto de casamento gay




Fonte: G1

Os parlamentares de Nova Jersey rejeitaram nesta quinta-feira (7) o projeto de lei que permitiria o casamento entre pessoas do mesmo sexo no Estado, ao final de uma votação acirrada.

Os membros do Senado favoráveis às uniões entre pessoas do mesmo sexo esperavam aprovar a lei antes do final do mandato do democrata Jon Corzine, no dia 19 de janeiro. Seu sucessor, o republicano Chris Christie, já anunciou que vetará a lei.

"Estou profundamente decepcionado com o resultado final" da votação, declarou Corzine.

Os defensores do projeto pretendiam que Nova Jersey, que já autoriza uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, se transformasse no sexto estado a admitir o casamento gay.

Os cinco Estados americanos que autorizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo são Iowa, Connecticut, Massachusetts, Vermont e New Hampshire.

Feliz 2010 com realizações!




O 2009 terminou com a perspectiva de um 2010 repleto de realizações para a comunidade LGBT.
Desejando que os projetos do Governo sejam muito mais do que simples promessas de véspera de ano eleitoral.
Afinal, em 14 de maio de 2009 o Plano Nacional da Cidadania dos Direitos Humanos de LGBT, mas desde 2006, tramita a PLC 122, que altera a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, dá nova redação ao § 3º do art. 140 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e ao art. 5º da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e dá outras providências.
Essa lei vai e volta no Senado, graças aos "defensores da moral e dos bons costumes"... rs
Bem, vamos aguardar, torcer e lutar pelos nossos direitos.

FELIZ 2010!!!